TEM COMO EVITAR O SOFRIMENTO?

Published in 3 de maio de 2022 by

           Qualquer pessoa desperta sabe que a vida é como trocar o pneu do carro em movimento. Difícil. A felicidade não ocupa todos os contextos e espaços. Muito menos vivemos com uma seleção específica das emoções que mais nos agradam sentir. Sentimos de tudo. Faz parte.

            O psicólogo americano Steven Hayes, em um de seus estudos, afirma que muitas pessoas possuem um equívoco quanto ao conceito de felicidade, deduzindo que esta, seria a ausência completa de tristeza. Além disso, aponta que na tentativa de evitarmos a dor, criamos uma série de medos e fobias que aumentam ainda mais o sofrimento. É como se atualmente, os ideais sustentassem uma espécie de “ditadura” da felicidade.

            Na tentativa intensa e constante de evitar a dor, as pessoas passam a não sentir nada e acabam imersas em um estado de vazio profundo. Ser feliz é algo a ser considerado para longo prazo, vivendo uma vida de acordo com a descoberta dos próprios valores e aceitando que momentos difíceis também aparecem com alguma função e têm uma importância.

            Na cozinha não existe um único sabor de tempero. Precisamos do azedo, amargo, doce, salgado para incentivar o paladar. Na vida não é muito diferente. Precisamos aceitar a multiplicidade de emoções e compreender: a serviço de que elas aparecem? O que dá sabor para a vida é justamente a característica e representação específica que cada emoção traz. Todas têm a sua importância e como diria Rubem Alves, Ostra feliz não faz pérola.